Vídeo de jovem estuprada causa revolta na internet



Vídeo de jovem estuprada causa revolta na internet (Foto: reprodução/Twitter)


A divulgação de um vídeo de estupro coletivo causou revolta e indignação nas redes sociais. Na terça-feira (24), um perfil identificado como michelbrasil7 postou imagens de uma adolescente desacordada após ter sido estuprada.
Enquanto a jovem era filmada desacordada - com os seios e o órgão genital expostos - um rapaz aparece fazendo piadas. "Amassaram a mina. 'Intendeu' ou não 'intendeu'? kkk", disse.
A publicação rapidamente tomou grandes proporções e vários usuários repudiaram e denunciaram a atitude do rapaz.
Na manhã desta quarta-feira (25), a conta de Michel estava suspensa. Apesar disso, o vídeo e algumas imagens ainda estão disponíveis nas redes sociais e alguns internautas pediram para outros não compartilharem.
A Polícia Civil do Rio de Janeiro informou que já investiga o caso e que a vítima estava desaparecida até o final da tarde de hoje. 
Vítima presta depoimento
A adolescente de 17 anos, vítima de estupro coletivo no Rio de Janeiro, foi ouvida pela Polícia Civil nesta quinta-feira (26). A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) está responsável pela investigação.
De acordo com o delegado, a população pode colaborar com informações que auxiliem na identificação dos envolvidos através do e-mail alessandrothiers@pcivil.rj.gov.br.
Nas imagens compartilhadas nas redes sociais, dois homens exibem a jovem e escrevem: "Essa aqui, mais de 30, engravidou. Entendeu ou não entendeu?", e exibem o órgão genital da adolescente ainda sagrando.
O caso ganhou grande repercussão e internautas de vários estados brasileiros repudiaram e denunciaram os perfis.
"Chorei quando vi o vídeo", diz avó de garota
Eram 15h de quarta-feira (25) quando a família de uma jovem de 17 anos recebeu o telefonema de um vizinho, que relatava que a adolescente havia sido estuprada no morro da Barão, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio. Segundo ele, o crime estava registrado em um vídeo numa rede social.
Os parentes da adolescente foram para a frente do computador e viram a cena - de cerca de 40 segundos - que deu início à uma investigação da Polícia Civil e do Ministério Público.
Mãe de um menino de três anos, a jovem estava deitada numa cama, seminua, e era observada por um grupo de pessoas. A suspeita é que 33 homens tenham violentado a adolescente.
"Chorei quando vi o vídeo. Choramos todos. Me arrependi de ter visto. Quando ouvimos a história, não acreditávamos no que estava acontecendo. É uma aflição muito grande. É uma situação deprimente", disse a avó materna da adolescente, que pediu para não ser identificada.
VOLTOU PARA CASA
Ela contou que a adolescente saiu de casa na sexta (20) dizendo que ia visitar amigas no morro da Barão. Só voltou na tarde de terça (24). Vestia roupas de homem e estava sem o telefone celular. Após uma noite de sono, acordou na quarta (25) dizendo que iria buscar o aparelho na favela.
"Depois que vimos o vídeo, o assunto começou a se espalhar e, horas depois, ela retornou à casa levada por um agente comunitário do morro", disse a avó.
A jovem prestou depoimento na delegacia durante a madrugada desta quinta (26). Depois, foi encaminhada a um hospital onde recebeu um coquetel de medicamentos para evitar doenças sexualmente transmissíveis.
Desde então, a adolescente está em casa com os pais e a avó materna. "Ela não está bem. Está muito confusa. A coisa foi muito séria."
(Folhapress)